25 setembro 2015

O FRACASSO DA CRUZ OU A VITÓRIA DA CRUZ?

Ontem na Catedral de St. Patrick em Nova York, ouvi o Papa fazendo menção ao trabalho duro realizado por aqueles que se dedicam a carreira eclesiástica, ele disse que muitas vezes medimos o sucesso de nossos esforços com parâmetros de eficiência dos homens, mas que Deus vê de forma diferente, pois só Ele mede o valor real do nosso trabalho.


O Papa compara as falhas humanas ao realizar esse trabalho com a Cruz de Cristo, que muitas vezes parece não dar fruto, mas que somos seguidores de Jesus Cristo, e que a vida de Jesus - humanamente falando - terminou em fracasso, o “Fracasso da Cruz”.


OOOPS…Foi isso mesmo que o Papa falou? Busquei na Internet a transcrição do seu sermão e confirmei que era isso mesmo que ele havia dito.

Fiquei pensando:  “Eu não compreendo como um homem que se diz conhecedor das Escrituras possa dizer tal coisa”.  


A morte de Jesus - mesmo humanamente falando - não foi um fracasso. É como se Ele tivesse tentado fazer algo e não conseguiu e acabou morrendo na cruz.  A cruz era o objetivo final, Ele veio para isso. Sendo Deus encarnado, Ele pagou pelos nossos pecados nos reconciliando com o Pai, fazendo exatamente aquilo que Ele veio fazer, ou seja, morrer na cruz para se cumprir tudo o que estava escrito na Lei de Moises e dos Profetas. (Mateus 24:44)


Nenhum apóstolo, chamou a cruz de fracasso. Jesus sofreu a vergonha da cruz, (Hebreus 12:2) a maldição da cruz, (Gal 3:13) mas não o fracasso da cruz por que eles sabiam que a cruz não tinha sido um fracasso.   


Não houve tempo suficiente para alguém achar que a cruz era um fracasso pois logo após a sua morte, estando Jesus ainda na cruz, o centurião e os homens que estavam ali reconheceram que Jesus era o Filho de Deus após o terremoto e tudo o que havia acontecido. (Mateus 27:54).  Os discípulos estavam com medo, mas sabiam que Jesus seria morto e ressuscitaria, pois Ele mesmo os havia dito. (Marcos 10: 33


A ideia de a cruz ser um fracasso é inexistente na história, tanto que três mil pessoas se converteram na primeira pregação de Pedro pois era sabido por todos que Jesus tinha feito milagres (Atos 2:22) e certamente as centenas de testemunhas oculares da sua ressureição eram provas suficientes para crerem Nele.


Citar a morte de Jesus na cruz como um fracasso do Jesus humano é uma heresia que menospreza seu sacrifício expiatório, não tem base Bíblica, Teológica nem Histórica e foge de todo o ponto central do evangelho. Jesus em nenhum momento na sua vida humana fracassou, sua vida foi perfeita, o plano de Deus foi perfeito.


Se Jesus não tivesse morrido na cruz, ele teria humanamente fracassado. Mas é exatamente por que Ele morreu na Cruz, que sua vida - humana - e morte não foi o “Fracasso da Cruz”, e sim, a “Vitória da Cruz”.


Joel M Stevao 

Pastor, Teólogo, Apologista

e-mail joel.m.stevao@hotmail.com


O FRACASSO OU O SUCESSO DA CRUZ? Para a teologia católica da salvação inteira o sacrifício de Jesus na Cruz não foi suficiente, pois requer a intercessão e mediação dos santos, especialmente de Maria. Isto quer dizer que realmente o sacrifício de Jesus não foi um sucesso total, porque carece da ajuda dos santos e especialmente de sua mãe, que é crida como co-redentora

Leia mais 
http://apologian.blogspot.com/2015/09/o-papa-francisco-e-o-fracasso-da-cruz.html

http://apologian.blogspot.com/2015/09/o-papa-francisco-e-o-fracasso-da-cruz.html

10 comentários:

Anônimo disse...

É, como cristãos, todos sabemos que a cruz não foi um fracasso. Mas, honestamente, será que esta frase não está descontextualizada? Não sou fã do Papa nem nada. É que não faz sentido com que ele fala no começo. Que "Deus mede nosso sucesso". Alguém sabe o que ele disse em seguida? Será que ele não quis dizer que aos olhos humanos, pecadores, carnais, a cruz não sería um fracasso, mas que para o plano de Deus fora um sucesso. É difícil acreditar em uma crítica a um texto fora de contexto. Por gentileza, alguém poste o discurso todo.

Josimar Salum disse...

A Cruz para Jesus não foi um fracasso em nenhum contexto nem em nenhum ponto de vista. Ponto final.

ESMECELATO disse...

Joel M Stevao, se eu e voce falhar nós não ganhar a salvação, ai esta o fracasso de Cristo para min e para voce. entendeu, Deus deixou-nos livre para seguir ou não, pecar ou não. PARA DE SER DEUS. só DEUS PODE JULDAR.

Weslley Assis disse...

Concordo contigo irmão, sou católico. Confira esse trecho:
Afinal, o Papa não disse nada diferente do que Isaías e São Paulo proclamam na Bíblia: o Messias é desprezado, é visto como “escória da humanidade”; a cruz é um escândalo, é loucura, DO PONTO DE VISTA HUMANO.

“Era desprezado, era a escória da humanidade, homem das dores, experimentado nos sofrimentos; como aqueles, diante dos quais se cobre o rosto, era amaldiçoado e não fazíamos caso dele.”

– Is 53,3

“Já que o mundo, com a sua sabedoria, não reconheceu a Deus na sabedoria divina, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura de sua mensagem. Os judeus pedem milagres, os gregos reclamam a sabedoria; mas nós pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos.

– I Cor 1, 21-23

Acaso Isaías chamou o Messias de “escória da humanidade”? Claro que não! Ele estava dizendo que, com sua visão limitada, as pessoas O veriam assim. Acaso São Paulo afirmou a mensagem de Deus é uma “loucura”? Óbvio que não! Ele quis dizer que tal mensagem é loucura somente do ponto de vista humano.

E se acaso tenha interesse leia na íntegra esse blog http://ocatequista.com.br/archives/16204

Weslley Assis disse...

Concordo contigo irmão, sou católico. Confira esse trecho:
Afinal, o Papa não disse nada diferente do que Isaías e São Paulo proclamam na Bíblia: o Messias é desprezado, é visto como “escória da humanidade”; a cruz é um escândalo, é loucura, DO PONTO DE VISTA HUMANO.

“Era desprezado, era a escória da humanidade, homem das dores, experimentado nos sofrimentos; como aqueles, diante dos quais se cobre o rosto, era amaldiçoado e não fazíamos caso dele.”

– Is 53,3

“Já que o mundo, com a sua sabedoria, não reconheceu a Deus na sabedoria divina, aprouve a Deus salvar os que creem pela loucura de sua mensagem. Os judeus pedem milagres, os gregos reclamam a sabedoria; mas nós pregamos Cristo crucificado, escândalo para os judeus e loucura para os pagãos.

– I Cor 1, 21-23

Acaso Isaías chamou o Messias de “escória da humanidade”? Claro que não! Ele estava dizendo que, com sua visão limitada, as pessoas O veriam assim. Acaso São Paulo afirmou a mensagem de Deus é uma “loucura”? Óbvio que não! Ele quis dizer que tal mensagem é loucura somente do ponto de vista humano.

E se acaso tenha interesse leia na íntegra esse blog http://ocatequista.com.br/archives/16204

Frazão disse...

Caro pastor.
Em certa parte do artigo o senhor diz: “A morte de Jesus - mesmo humanamente falando - não foi um fracasso. É como se Ele tivesse tentado fazer algo e não conseguiu e acabou morrendo na cruz. A cruz era o objetivo final, Ele veio para isso. Sendo Deus encarnado, Ele pagou pelos nossos pecados nos reconciliando com o Pai, fazendo exatamente aquilo que Ele veio fazer, ou seja, morrer na cruz para se cumprir tudo o que estava escrito na Lei de Moises e dos Profetas. (Mateus 24:44)”
Gostaria de saber onde está escrito na bíblia que o objetivo final de Jesus era morrer na cruz... Por que faço essa indagação? Simplesmente porque em Lucas 4,43 está escrito em relação a Jesus: “Ele, porém, lhes disse: Também é necessário que eu anuncie a outras cidades o evangelho do Reino de Deus, porque para isso fui enviado.” Consequentemente, não há que se falar que Ele veio morrer na cruz, pois o que Ele realmente disse foi “Também é necessário que eu anuncie a outras cidades o evangelho do Reino de Deus”, complementando “porque para isso fui enviado”. Ora, se Ele próprio diz “para isso fui ENVIADO” [anunciar o evangelho], ninguém deve, ou pode, aventar outra hipótese. Ou podemos contrariar o que está escrito na palavra de Deus?
Já quanto a Sua morte ter sido um fracasso, humanamente falando, lembro que a Doutrina Cristã diz que Jesus tem duas naturezas – uma humana e outra divina; portanto nada mais lógica foi essa declaração do papa Francisco, pois, quando Jesus esteve aqui na Terra, Ele assumiu a natureza humana, em toda plenitude; tanto que nasceu de uma barriga humana, cresceu, viveu e morreu, como todo ser, segundo as leis da Terra; ou não foi?!
Consequentemente, essa análise do papa Francisco só se limitou ao aspecto humano, pois, em termos divinos (doutrinário-filosófico), a missão de Jesus está sendo cumprida, continuamente, através dos ensinamentos por Ele transmitidos e que, mesmo após a Sua morte, estão aí, e permanecerão até o final dos tempos...
Quer um exemplo bem próximo da nossa realidade?: Tiradentes, que, em termos humanos, acabou com um fracasso (sua morte, por traição de um companheiro); entretanto, o ideário republicano (doutrinário-filosófico) da Inconfidência Mineira, resultou no que hoje é o regime republicano no Brasil.
Continua...

Frazão disse...

...Continuação ao meu comentário de 16 de outubro de 2015 06:49
Como se vê, meu caro, o papa Francisco acertou na mosca. Só não enxerga quem não quer ver, ou que não quer aceitar que o cristianismo caolho, que hoje se apresenta (com esse sem números de denominações religiosas ditas cristãs), só enxerga dinheiro e poder.
E é contra isso que, a meu ver, o papa Francisco está “lutando”, visando fazer a Igreja voltar ao início do cristianismo, em que todos os bens eram de usufruto de toda a comunidade, e não de poucos, como hoje, em que até padres, diáconos, pregadores e que tais, querem ter suas “mordomiazinhas”, ao invés de ir trabalhar para sustento próprio e dividir o que exceder com os menos afortunados, transformando a Igreja em uma verdadeira comunidade, aos moldes do Cristianismo dos primórdios; é só seguir o exemplo de Paulo, sugerido aos tessalonicenses, que transcrevo, para evitar trabalho a quem não gosta do batente: “6. Intimamo-vos, irmãos, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, que eviteis a convivência de todo irmão que leve vida ociosa e contrária à tradição que de nós tendes recebido. 7. Sabeis perfeitamente o que deveis fazer para nos imitar. Não temos vivido entre vós desregradamente, 8. nem temos comido de graça o pão de ninguém. Mas, com trabalho e fadiga, labutamos noite e dia, para não sermos pesados a nenhum de vós. 9. Não porque não tivéssemos direito para isso, mas foi para vos oferecer em nós mesmos um exemplo a imitar. 10. Aliás, quando estávamos convosco, nós vos dizíamos formalmente: Quem não quiser trabalhar, não tem o direito de comer. 11. Entretanto, soubemos que entre vós há alguns desordeiros, vadios, que só se preocupam em intrometer-se em assuntos alheios. 12. A esses indivíduos ordenamos e exortamos a que se dediquem tranquilamente ao trabalho para merecerem ganhar o que comer.” (2Ts 3,6-12) Pense nisso...
Abraços. Frazão

Josimar Salum disse...

Claramente o papa disse que Jesus fracassou na cruz! Jesus não fracassou nem do ponto de visto humano!

Há quem diga que Jesus viveu como homem na Terra e como homem fracassou se o Verbo que se fez carne tivesse deixado de ser Deus.

O escritor do artigo inicial disse que o propósito final de Jesus era morrer na cruz; não afirmei isto no artigo que comentei o dele. Aliás pela alegria que Lhe estava proposta suportou a cruz! Como a cruz pode ter sido um fracasso se era o meio pela qual Ele morreria para salvar o Seu povo de todo o seu pecado. O sofrimento, a punição, a morte podem ser vistos como fracassos para o homem, mas não para Jesus Cristo!

O pano de fundo da afirmação do papa é que a teologia católica inteira da salvação ensina que o sacrifício de Jesus na Cruz não foi suficiente, pois para a salvação requer-se a intercessão e a mediação dos santos, especialmente de Maria, os sacramentos etc. Isto quer dizer que realmente o sacrifício de Jesus não foi um sucesso total, porque carece da ajuda dos santos e especialmente de sua mãe, que é crida como corredentora.

Segundo a Bíblia, Maria, mãe de Jesus não é imaculada, porque todos os homens pecaram, ela inclusive. Somente Jesus não conheceu pecado algum. Maria mesma, em seu "Magnificat" reconheceu a necessidade do Salvador Jesus: A MINHA ALMA ENGRANDECE AO SENHOR E MEU ESPÍRITO SE ALEGROU EM DEUS MEU SALVADOR. Claramente ela não é senhora; ela disse: Eis aqui a serva do Senhor! Ela não é redentora; ela disse: JESUS CRISTO É MEU SALVADOR.

Como os homens morrem, Maria morreu. Ora, e a Bíblia - qualquer versão, seja Católica ou Protestante, fala somente da ressurreição de Jesus e não da ressurreição de Maria. Assim, sendo ela, uma mulher extraordinária e cheia da Graça de Deus não é Deus - não é onipresente nem onisciente - por isto obviamente não pode ouvir a oração e a súplica ao mesmo tempo que tantos pensam que dirigem a ela em milhares de lugares diferentes em todo o mundo.

É isto, o nobre pontífice Francisco acredita e prega que Maria é intercessora, mediadora e que responde às orações, como ontem à noite rezou com a multidão em Filadélfia para José e Maria. Para ele, claramente o sacrifício de Jesus na cruz não foi suficiente, porque carece da ajuda de sua mãe.

Amados, isto é contrário à Palavra de Deus. Assim sendo, Papa Francisco que conta com meu respeito como líder religioso de tantos amigos que tenho, invalida as Escrituras de Deus quiçá não conhecendo-as ou ignorando-as e o PODER DE DEUS inclusive.

Josimar Salum disse...

Claramente o papa disse que Jesus fracassou na cruz! Jesus não fracassou nem do ponto de visto humano!

Há quem diga que Jesus viveu como homem na Terra e como homem fracassou se o Verbo que se fez carne tivesse deixado de ser Deus.

O escritor do artigo inicial disse que o propósito final de Jesus era morrer na cruz; não afirmei isto no artigo que comentei o dele. Aliás pela alegria que Lhe estava proposta suportou a cruz! Como a cruz pode ter sido um fracasso se era o meio pela qual Ele morreria para salvar o Seu povo de todo o seu pecado. O sofrimento, a punição, a morte podem ser vistos como fracassos para o homem, mas não para Jesus Cristo!

O pano de fundo da afirmação do papa é que a teologia católica inteira da salvação ensina que o sacrifício de Jesus na Cruz não foi suficiente, pois para a salvação requer-se a intercessão e a mediação dos santos, especialmente de Maria, os sacramentos etc. Isto quer dizer que realmente o sacrifício de Jesus não foi um sucesso total, porque carece da ajuda dos santos e especialmente de sua mãe, que é crida como corredentora.

Segundo a Bíblia, Maria, mãe de Jesus não é imaculada, porque todos os homens pecaram, ela inclusive. Somente Jesus não conheceu pecado algum. Maria mesma, em seu "Magnificat" reconheceu a necessidade do Salvador Jesus: A MINHA ALMA ENGRANDECE AO SENHOR E MEU ESPÍRITO SE ALEGROU EM DEUS MEU SALVADOR. Claramente ela não é senhora; ela disse: Eis aqui a serva do Senhor! Ela não é redentora; ela disse: JESUS CRISTO É MEU SALVADOR.

Como os homens morrem, Maria morreu. Ora, e a Bíblia - qualquer versão, seja Católica ou Protestante, fala somente da ressurreição de Jesus e não da ressurreição de Maria. Assim, sendo ela, uma mulher extraordinária e cheia da Graça de Deus não é Deus - não é onipresente nem onisciente - por isto obviamente não pode ouvir a oração e a súplica ao mesmo tempo que tantos pensam que dirigem a ela em milhares de lugares diferentes em todo o mundo.

É isto, o nobre pontífice Francisco acredita e prega que Maria é intercessora, mediadora e que responde às orações, como ontem à noite rezou com a multidão em Filadélfia para José e Maria. Para ele, claramente o sacrifício de Jesus na cruz não foi suficiente, porque carece da ajuda de sua mãe.

Amados, isto é contrário à Palavra de Deus. Assim sendo, Papa Francisco que conta com meu respeito como líder religioso de tantos amigos que tenho, invalida as Escrituras de Deus quiçá não conhecendo-as ou ignorando-as e o PODER DE DEUS inclusive.

Josimar Salum disse...

Frazão meu irmão, sugiro que leia o livro www.jesusmanifesto.org